CURSOS ON LINE

CURSOS ON LINE
PREPARE-SE PARA OS DESAFIOS QUE ESTÃO POR VIR NO NOVO ANO QUE INICIA FAÇA CURSOS ON LINE COM CERTIFICADO GARANTIDO

domingo, 21 de outubro de 2012

DEFICIÊNCIA AUDITIVA, SURDEZ E LIBRAS

Deficiencia Auditiva, Surdez e LIBRAS

           
           Segundo a Censo de 2000, existem no Brasil cerca de 5,7 milhões de deficientes auditivos, ou seja, 2%da população são pessoas com perdas auditivas.
          É através da audição que conseguimos identificar e reconhecer sons do ambiente, além de podermos nos comunicar com nossos semelhantes.
       Algumas pessoas com surdez se comunicam de forma diferente da maioria, usando a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), outros conseguem se comunicar de forma oral. Tudo vai depender de vários fatores, entre eles, grau a perda auditiva, o diagnóstico precoce, o apoio da família, o uso e bons aparelhos de amplificação sonora individual, a terapia fonoaudiológica, um bom resíduo de audição e muita, muita força de vontade.
        A língua de sinais é uma língua universal e aqui no Brasil é usada a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Ela é uma língua visiomotora (relação entre o comando dos olhos e a cooperação, no caso, as mãos) epossui regras gramaticais próprias, com todos os componentes pertinentes às línguas orais, como gramática, semantica, sintaxe e outros elementos que preenchem todos os requisitos científicos para ser considerada um instrumento linguístico.
          Algumas crianças surdas têm a possibilidade de adquirir e desenvolver a linguagem oral, utilizando a fala para se comunicar. Outras, por características pessoais e também em decorrência do ambiente familiar em que cresceram, apresentam língua oral mínima e utilizam-se de outras de outras formas de comunicação, como os sinais. O mais importante de tudo isso é entendermosque cada caso deve  ser estudado individualmente no que se refere à melhor forma de comunicação que a criança utilizará. Vários fatores devem ser levados em conta: a idade da criança na época do diagnóstico, bom uso do resíduo auditivo (o quanto a criança ouve), uso do aparelho, dados da família, características do seu comportamento entre outros.
         É necessário entender que precisamos de uma língua que estrutura nosso pensamento e, quanto antes a criança tiver acesso a esta língua, melhor será seu desenvolvimento.

Fonte: Ciranda das Diferenças
 DISPONÍVEL EM: http://criancarteira.blogspot.com.br/search/label/Vamos%20pensar%20na%20inclus%C3%A3o%3F